Crime e Castigo

Crime e Castigo

Romance russo de 1866. Em suas páginas, vemos de um lado protagonista Raskólnikov, autor de um medonho artigo, publicado, que conceitua o homem em duas categorias. Existem os ordinários, compostos pela massa sem iniciativa, e os extraordinários. Esses últimos, geralmente donos de idéias novas, que causam rupturas, são fundamentais ara o avanço da sociedade terrena. Os extraordinários teriam total direito sobre os ordinários – que podiam inclusive ser pessoas nocivas – para o bem da humanidade. Deste modo, até mortes eram justificadas.

Do outro lado, está uma velha agiota, a qual exatamente Raskólnikov deseja matar. A decisão final para tal empreitada só ocorre, entretanto, após ouvir indiretamente uma espécie de referendo a sua tese, em uma conversa travada numa taverna, entre um estudante e um oficial. No diálogo, fora defendida a idéia da morte de agentes nocivos em proveito da humanidade!

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.

*