Viagens de Gulliver

Primeira Viagem
Lemuel Gulliver era cirurgião em Londres. Diante do pouco movimento de pacientes em seu consultório o Dr. Gulliver decide aceitar o convite do Capitão Willian Prichard que seguia com seu navio rumo ao mar do Sul.

Na travessia para as índias Orientais uma violenta tempestade afunda o navio. Após muito nadar Gulliver, guiado pelo vento e pela maré, chega à praia e, por estar muito cansado, adormece.

Ao acordar tenta levantar-se e nota que seus braços e pernas estão amarrados. Ao ouvir um ruído confuso verifica que se trata de minúsculas criaturas humanas (pigmeus) do país de Liliput, que tentam atingi-lo com flechas. Por ordem do imperador de Liliput, Gulliver é levado à capital para então decidirem o que fazer com ele, visto que sua permanência naquele país traria muitos gastos em virtude do seu tamanho e sua morte causaria uma peste na metrópole e se arrastaria por todo o reino por causa do mau cheiro.

Decidem que, por enquanto, todos os aldeões terão que colaborar com o seu sustento. Fazem um inventário de seus pertences e ficam perplexos diante do tamanho dos objetos, os quais desconheciam sua utilidade.

Logo, Gulliver, que era muito inteligente, começa a aprender a língua dos Liliputianos e aos poucos conquista a confiança dos habitantes. Em pouco tempo passa a ser amado por muitos e invejado por alguns como o Sr. Skyresk Bolgoham que tramava intrigas para afastá-lo do reino.

Após vários pedidos o rei concede-lhe a liberdade, mediante algumas coisas que teria que cumprir. Autoriza-o a conhecer a metrópole desde que não pise nas pessoas e nem danifique as casas. “O homem montanha”, como era chamado, é ordenado pelo rei a lutar contra os Blefuscu, povo que discordava dos Liliputianos quanto a forma de quebrar o ovo: se pela ponta mais fina ou pela mais grossa. Gulliver vence a Batalha e recebe um título honorífico. Al´m disso, também fica amigo do rei de Blefuscu.

Novamente seus serviços são solicitados. Desta vez ele é chamado para apagar um incêndio nos aposentos da imperatriz. Gulliver apaga o fogo com jatos de sua urina, procedimento ilegal naquele país. O rei de Liliput é pressionado a matá-lo aos poucos de fome. Avisado por um amigo importante da corte, Gulliver foge para Blefuscu e lá é ajudado a retomar para Inglaterra.

Segunda Viagem
Dois meses após ter chegado a sua terra Natal, Gulliver embarca novamente em sua segunda viagem desta vez com destino a Surat.

Devido a uma tempestade, é levado acidentalmente a ilha de ” Broddingnog, habitada por uma raça de gigantes. Assustado diante do tamanho dos gigantes teme ser engolido por eles. No entanto, Grilbrig, um lavrador, leva-o até a sua casa e, com a intenção de obter lucros e também para gabar-se, o exibe a todos o seu “achado”: um estranho animal que fala e imita todos os seus atos.
Para proteger seu “patrimônio”, Grilbrig não permite que ninguém o toque, a não ser sua filha Glumdalclitch, que cuidava de sua preservação e ensinava-lhe a língua nativa. Gulliver, nessa viagem, passa a ser chamado de GILDRIG.

O lavrador após lucrar muito com suas exibições e suspeitando que o estranho animalzinho estivesse muito doente decide vendê-lo a rainha, juntamente com sua filha, que era sua pajem. A rainha ordena que se faça uma caixa que pudesse servir de dormitório e tudo foi adaptado para que Gulliver se sentisse confortável. Gulliver se torna, aos poucos, companhia indispensável da rainha. Isso desperta a fúria de outra criatura que também pertencia a ela: um anão que constantemente atormentava Gulliver com suas maldades.

O rei, em seus momentos de folga, passava horas conversando com Gulliver. Ele queria saber tudo sobre sua terra de origem, pois queria conhecer tudo o que merecesse ser imitado.

O pequeno contou detalhadamente sobre a constituição do parlamento inglês, os tribunais de Justiça, o critério de escolha de um novo nobre. E o rei conclui que “a grande maioria dos vossos semelhantes é representado pela mais perniciosa raça de pequenos e odiosos insetos, que a natureza já permitiu rastejassem na superfície da terra”.

As dimensões exageradas das pessoas, das feridas, dos insetos, das imundices, etc. o deixavam nauseado. Por isso, Gulliver começa a pensar numa maneira de retomar ao seu país e sua libertação ocorre no dia em que acompanhou o rei e a rainha numa viagem à costa do Sul do reino. Como sua pajem estava muito resfriada, Gulliver é levado por outro pajem para ver o mar. Então, o menino se distrai e uma enorme águia arrasta-o em direção a um rochedo. A ave deixa-o cair no mar e ele é encontrado por marinheiros da sua “espécie”, ou seja, que tinham proporções semelhantes a sua. Gulliver então é deixado em terra e ele retorna à sua casa.

Terceira Viagem
A convite do Capitão William Robson, Gulliver embarca para uma viagem às índias Orientais como comandante de uma chalupa (Antigo navio à vela, cuja mastreação se compõe de gurupés e dois mastros: o de vante de lugre, e o de ré inteiriço, que enverga pequena vela latina quadrangular). Durante a viagem, é perseguido por dois navios de piratas que lhe roubaram a chalupa e lhe dão canoa para que ele consiga chegar em terra.

Depois de algum tempo, Gulliver chega a uma ilha formada por penhascos. Depois ser encontrado pelos habitantes, é levado ao palácio real por uma nave até a presença do Rei, que não entendendo sua língua, ordena que lhe ensinem a língua nativa.

Gulliver então aprende que o nome da ilha era Laputa “Ilha Volante ou Flutuante” e graças a sua inteligência em poucos dias adquiriu o conhecimento da língua. Os habitantes de Laputa viviam numa nave e eram conhecedores da lógica (Matemática) e da harmonia (música), não se interessando por nenhum outro ramo de conhecimento.

Gulliver pouco interessado nestas ciências pede permissão para visitar outra ilha e segue para Balnibardi. Em Lagada, metrópole de Balnibardi, Gulliver visita a academia local em que muitos cientistas tentavam aperfeiçoar seus projetos de remodelação de todas as artes, ciências, línguas e ofícios.

Como esses projetos ainda não atingiram a perfeição, os habitantes estavam à mercê dos cientistas, com isso as casas estavam desmoronando, o campo miseravelmente arruinado e o povo sem roupa e sem comida. Menos o rei que se contentou em viver na maneira antiga, preferiu o bem estar do quê o progresso geral. Gulliver propõe alguns melhoramentos nos projetos os quais são aceitos e reconhecidos pelos cientistas.

Cansado de morrar nesse lugar, Gulliver pensa em retornar a Inglaterra, mas a falta de um navio o faz visitar uma ilha chamada Glubboubdrib, que significa “Ilha dos feiticeiros ou mágicos”. Nessa ilha o governador tem poderes chamar dentre os mortos que bem quisesse e exigir-lhes os serviços por 24 horas (não mais). No começo Gulliver ficou assustado, mas logo se familiarizou com o ambiente e aproveitou para chamar os espíritos de muitas personalidades como Alexandre o Grande, César, Pompeu, Brito, Homero, Aristóteles, Descartes, Gassendi, com a intenção de esclarecer algumas dúvidas sobre as histórias antigas e modernas.

Depois de sua estada Glubboubdrib, segue viagem e tenta chegar ao Japão onde, de lá, regressaria à Inglaterra. Durante a vigem passa por Luggag, onde foi recebido com muita cordialidade. Fica sabendo da existência de uma raça chamada Struldbrugs (Imortais que viviam naquele país) e deseja ser um deles, mas quando soube das desvantagens, logo se arrepende e segue para o Japão e de lá embarca num navio com destino a Inglaterra.

Quarta Viagem
Cansado do ofício de médico de bordo, Gulliver aceita o convite para ser capitão do navio.
Em virtude da morte de diversos homens de seu navio, é obrigado a recrutar novos homens. Logo depois, é traído por eles e deixado em um bote alto mar. Depois de vagar a deriva por algum tempo, chega ao país dos Houyhnhnms, que era governado por cavalos, que procediam como criaturas racionais. Gulliver pensou estou louco.

Os cavalos ficaram interessados em saber de que parte ele vinha e como aprendeu imitar os Yahoos cruéis e desprezíveis animais irracionais daquele país, muito parecido fisicamente com os homens.

Depois de aprender o idioma dos cavalos, Gulliver explica a eles porque foi parar naquele lugar: Então ele conta como foi traído por criaturas de seu país. Isto gera grande confusão entre os cavalos, pois eles não entendiam que pudesse haver falsidade ou mentira entre os irracionais, como eram considerados, porque eles não conheciam o “duvidar’ e o não “acreditar”.

Então o cavalo amo pede para que Gulliver descreva o país de onde viera. Gulliver fala-lhes sobre a questão da acusação e defesa, da importação de produtos como comida e bebida para satisfazer a ganância e a vaidade de muitos, das doenças físicas e psicológicas, de como são escolhidos os primeiros ministros e os ministros de estado e sobre os motivos que levam seu país guerrear.

Depois que ouvir atentamente o relato de Gulliver, o cavalo amo diz a Gulliver como era o comportamento dos Yahoos. Segundo ele, os Yahoos e os homens descritos por Gulliver se diferenciam apenas no vigor, na rapidez, no comprimento das garras, mas pela descrição que fez dos costumes e dos atos, julgou existir idêntica semelhança na disposição dos espíritos.

O cavalo amo relata também as virtudes dos Houyhnhnms uma delas é não ter amor fraterno, eles amam a espécie toda, controlam a natalidade, quando se casam escolhem as cores para não haver mistura de raças e as fêmeas recebem o mesmo tratamento dos machos. Fala também da Assembléia que é feita de 4 em 4 anos para saber do estado e as condições dos vários distritos; se precisam ou se sobram aveia, feno, vacas ou Yahoos.

Gulliver estava decidido a ficar neste país para sempre, mas foi realizada uma Assembléia geral para saber se os Yahoos deviam ser exterminados da face terra. E o cavalo amo aconselhou-o a ir embora em virtude de ele ter se tomado mais como um Houyhnhnms do que como um animal irracional, um Yahoo.

Ajudado por um Alazão, Gulliver constrói uma canoa e se despede de todos com muita dor e lágrimas. Depois, tenta morar em outra ilha, mas é expulso por seus nativos homens e mulheres completamente nus.

Algum tempo depoism é encontrado por marinheiros que o levaram, mesmo contra suavontade. O capitão do navio convenceu-o a voltar para sua terra. Ao chegar, sente desprezo pela família, face à comparação com os Yahoos e por estar desabituado do contato com este “animal”.

77 Responses to “Viagens de Gulliver”

  1. Lais disse:

    Que porra de livroo é esse ?? Minha mae come meu pai todo diaaa

  2. Larie disse:

    Só falam que é ruim , mais sempre pegam pra trabalhos!!!1

  3. vic disse:

    Esse resumo vai me ajudar muito na prova de amanha valeu.

  4. henrique disse:

    MUITO BOM
    me ajudou demais na prova
    que bom que esta bem detalhado, porque a minha professora é bem detalista

  5. Bianca disse:

    Achei o livro chato. mais infelizmente sempre pedem para tarbalho.
    Eu tenho um trabalho para fazer da parte 3. um saco.

  6. Thalita disse:

    Caramba *
    se isso é um resumo imagine o livro USAHUSHUAH meu deeeus em ‘

  7. alicia disse:

    nada a ve nao entendii nda

  8. Henrique disse:

    valeu mesmo tenho uma prova sobre esse livro e to sem grana pra comprar e não acho para vender valeu mesmo

  9. Lorena disse:

    Tomara que me ajude no teste de amanhã!!!!

  10. pablo sganzerla disse:

    eu odiei e muito comprido nao da e ruim que desgrasa
    e merda
    vo fica anoite intera aki porra

  11. gui disse:

    q porra de livro é muito chato mais o resumo é legal

  12. Anderson disse:

    Olá obrigado estou fazendo uma matéria e peguei parte deste texto para incrementar..obg

  13. gustavo disse:

    muito bom, me ajudará bastante na prova do livro valeu.

  14. gaby disse:

    Esse resumo vai me ajudar bastante na prova de segunda!!!!

    Obrigada para quem postou!!!!!!!!
    valeu!

  15. lua blanco disse:

    e legal mesmo parem de fazer fantagam gente eu sou roberta de rebeldes e eu gostei munito desse romance alem de nao ser de vampiros

  16. giulia disse:

    porra de livrro que inventaroo manoo :*

    a minha professora mandou eu explica para sala
    e vim aqui obrigada s2

  17. Bia disse:

    Me ajudou bastante, mas poderia ser mais resumido haha (:
    ajudou bastante (;
    bj bj

  18. brenda disse:

    eu li esse livro ele e muito bacana

  19. roberta disse:

    pora pra que tanta coisa

  20. tornadinha disse:

    amei,amei,amei e muito bom para fazer trabalhos esta muito bem escrito

  21. brenda barbosa disse:

    nossa! que é isso gente prefiro ver o filme mesmo!

  22. ruan disse:

    gostei do resumo do livro ele vai ajudar muito na atividade

  23. joao disse:

    esse livro e um dos melhores peguem ele e leiam inteiro e vão gostar

  24. tititititi disse:

    valeu pelo o resumo do livro

  25. Larissa disse:

    que porra dee livroo ee esse miinhaa professora deviia leer estta bostta qee ella manda ! affeeee

  26. Larissa disse:

    Eu terei de ler esse livro até amanha.Porq eu tenho uma prova! E ainda mais de inglês!Ele vai me ajudar bastante! VLW! Beeizoos

  27. junior disse:

    vlw esse resumo me ajudou muito eu tirei 9,5 no trabalho

Deixe um comentário

You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>